SpaceView divulga a cobertura de suas imagens de satélite no Brasil

SpaceView divulga a cobertura de suas imagens de satélite no Brasil

A operadora chinesa SpaceView divulgou a cobertura de imagens de satélite dos sensores GaoFen-2 (GF-2), SuperView-1 e ZiYuan-3 (ZY-3). A TecTerra é revenda autorizada da SpaceView, operadora conhecida pela grande agilidade dos seus satélites na coleta de novas imagens de alta e média resolução e de possuir as melhores condições comerciais do mercado.

GaoFen-2 (GF-2)

O GaoFen-2 (GF-2) foi lançado em 19 de agosto de 2014 e adquire imagens com 80 centímetros de resolução nas bandas Vermelho, Verde, Azul e Infra-Vermelho (RGB e IR). O GaoFen-2 (GF-2) é conhecido por ser o satélite de alta resolução com as melhores condições comerciais do mercado seja para dados de acervo ou programação e agilidade de revisita na aquisição de uma imagem de satélite atualizada.

imagem de satélite atualizada

Estádio Nacional de Beijing (Ninho do Pássaro) na China

O GaoFen-2 (GF-2) coletou até Março de 2018 imagens de aproximadamente 90% do território brasileiro.

imagens de satélite atualizadas

SuperView-1

O SuperView-1 foi lançado no dia 26 de dezembro de 2016 e coleta imagens com 50 centímetros de resolução espacial
nas bandas do Vermelho, Verde, Azul e Infra-Vermelho (RGB e IR). No dia 09 de Janeiro de 2018 foram lançados com sucesso mais dois satélites da constelação SuperView-1. Hoje a constelação compreende quatro satélites orbitando na altitude de 520 km.

Super View-1

Parte do Parque Olímpico de Beijing na China

A constelação SuperView-1 coletou até o início de Abril de 2018 imagens de satélite de aproximadamente 70% do território brasileiro.

imagens de satélite super view

ZiYuan-3 (ZY-3)

ZiYuan-3 (ZY-3) 01 foi lançado em janeiro de 2012 e o 02 em maio de 2016. Assim ele compreende em 2 satélites idênticos entre si que adquirem imagens com de 2,1 metros de resolução nas bandas do Vermelho, Verde, Azul e Infra-Vermelho (RGB e IR). Ele se destaca por ter sido o primeiro satélite civil chinês que obtêm pares estereoscópicos e assim Modelos Digitais de Elevação (MDE) e curvas de nível.

imagem de satélite zy3

Rodovias, áreas urbanas e agriculturáveis na China

A constelação ZiYuan-3 (ZY-3) coletou até de Março de 2018 imagens de aproximadamente 97% do território brasileiro.

imagens de satélite ZY3

A cobertura de imagens representadas nos mapas não considera parâmetros como porcentagem de nuvens e ângulo de aquisição das imagens. Entre em contato conosco através do telefone (31) 3071-7080 ou do e-mail contato@tecterra.com.br para obter uma amostra e verificarmos a disponibilidade de imagens de satélite de acervo ou adquirir uma imagem de programação.

Geotecnologias ajudam coletores de castanha a traçar rotas na Floresta Amazônica

Geotecnologias ajudam coletores de castanha a traçar rotas na Floresta Amazônica

As Geotecnologias auxiliam a coleta da castanha-do-brasil (castanha-do-pará, castanha-da-amazônia) com o objetivo de conseguir melhor percurso pela mata e assim economizar tempo e esforço dos coletores. Pesquisadores da Embrapa Amazônia Ocidental (AM), em parceria com a Universidade Federal de Viçosa (UFV) e a Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), desenvolveram uma metodologia para a otimização do traçado de trilhas que dão acesso a produtos florestais não madeireiros.

A solução está  voltada, em especial, a técnicos extensionistas que possuam conhecimento básico de Geotecnologias e Sistemas de Informações Geográficas (SIG). O objetivo é que esses multiplicadores auxiliem comunidades extrativistas utilizando a metodologia para traçar a rota otimizada para cada região considerando fatores como inclinação do terreno, presença de rios, localização das árvores mais produtivas e vários outros.

Baixe no site da EMBRAPA a metodologia completa

A solução foi pensada para auxiliar coletores de castanha-do-brasil, mas pode ser empregada no trabalho com outros produtos extrativistas que têm grande importância econômica para populações tradicionais da Amazônia, além de contribuir para a conservação e o manejo sustentável das florestas nativas. O problema abordado na metodologia envolve, essencialmente, identificar a melhor sequência das castanheiras a serem visitadas e, considerando-se as peculiaridades do terreno (relevo, vegetação, hidrografia), estabelecer o melhor traçado das trilhas. A metodologia de Geotecnologias pode ser utilizada tanto na redefinição de trilhas de castanhais que já são explorados como, principalmente, na elaboração de traçados de novas áreas de coleta.

Melhores condições de trabalho

Esse é um dos resultados do projeto Mapeamento de Castanhais Nativos e Caracterização Socioambiental e Econômica de Sistemas de Produção da Castanha-do-Brasil na Amazônia (MapCast), iniciado em 2014, componente do Arranjo da Castanha-TechCast. De acordo com a pesquisadora da Embrapa Amazônia Ocidental Kátia Emídio da Silva, líder do projeto, a otimização do traçado de trilhas visa identificar o melhor percurso, combinando diversos fatores que determinam o grau de dificuldade de se percorrer determinada região e uma maior eficiência de acesso a árvores ou a áreas de manejo de interesse. Com isso, os cientistas procuraram melhorar a produtividade e as condições de trabalho dos agroextrativistas na Amazônia.

“Ao trabalhar nos castanhais naturais e na floresta nativa, sempre constatamos a dificuldade de se extrair determinados produtos. Assim, sempre me perguntava de que forma poderíamos ajudar esses agroextrativistas em sua atividade. Uma das soluções foi encontrar um melhor traçado para as trilhas que levam aos locais de coleta, diminuindo tempo e esforço”, conta a pesquisadora.

Geotecnologias para definir a inclinação do terreno e rede hidrográfica

A pesquisadora explica que, baseando-se nas características do terreno, são calculados os custos de se percorrer determinada trilha, por meio de um modelo matemático chamado “Velocidade de Tobler”, que leva em conta o ângulo de inclinação do terreno, seja por aclive ou declive.

Para modelar o relevo e a hidrografia, são utilizados dados do Shuttle Radar Topography Mission (SRTM). Essas informações foram obtidas a partir de uma missão realizada pela agência espacial dos Estados Unidos, a Nasa, que mapeou por radar toda a superfície do planeta. De acordo com Kátia Emídio, os dados do SRTM estão disponíveis gratuitamente para utilização em uma resolução de 30 x 30 metros, obtendo-se os chamados Modelos Digitais de Elevação (MDE) para as áreas de interesse.

A rede hidrográfica é de extrema importância para a determinação dos caminhos otimizados, uma vez que representam barreiras físicas ou dificuldades ao longo do traçado para acesso aos recursos florestais. Assim, os MDE recebem diversos pré-processamentos, objetivando a geração dos Modelos Digitais de Elevação Hidrograficamente Condicionais (MDEHC), permitindo que as delimitações de bacias hidrográficas sejam realizadas com maior precisão. Essa categoria especial de MDEs caracteriza-se por apresentar coincidência considerável com a rede de drenagem real.

Próximo passo: drones irão mapear castanheiras

Depois de os dados de relevo e hidrografia serem modelados, a próxima etapa é a inserção das informações do castanhal que está sendo explorado. Para isso, é necessário conhecer e adicionar as coordenadas das árvores das quais são feitas as coletas na área. De acordo com Kátia Emídio, essas árvores têm de ser mapeadas a partir de algum método, geralmente com a marcação da localização com receptor GPS no local. A equipe do projeto MapCast avalia desenvolver uma outra metodologia para a identificação das árvores de interesse por meio de drones e Geotecnologias.

Nos passos seguintes, os pesquisadores preveem a construção de uma rede para simular o deslocamento ao longo do terreno, considerando como custo de deslocamento a declividade e a presença da rede hidrográfica. A metodologia é flexível e adaptável às diferentes realidades locais, podendo-se inserir diferentes custos. Assim, pode-se restringir a transposição de corpos d’água, ou apenas incluir suas superfícies como um fator de “custo” (dificuldade), podendo ser cruzadas quando não houver outra alternativa ou, ainda, locomover-se utilizando barco.

Além disso, a tecnologia permite a indicação de locais provisórios para o armazenamento do material coletado em uma área (entrepostos), também com o objetivo de facilitar o trabalho do agroextrativista. O sistema sugere os locais que servem de entreposto quando se está percorrendo a trilha, localizados em posições estratégicas no conjunto de árvores que formam o castanhal, de forma a exigir o menor esforço no momento de levar a produção até o meio de transporte, que geralmente são pequenos barcos. A pesquisadora chama a atenção para a aplicação da metodologia de forma conjunta com os agroextrativistas, que podem contribuir para sua validação e melhoria, considerando-se o conhecimento que possuem das áreas de extrativismo.

Fonte: EMBRAPA

A TecTerra realiza diversos serviços nas áreas de Geotecnologias voltados para os mais diferente mercados. Veja em nosso site alguns deles.

Lançados mais três satélites da constelação GaoFen-1 (GF-1)

Lançados mais três satélites da constelação GaoFen-1 (GF-1)

Ocorreu com sucesso o lançamento de mais três satélites da constelação GaoFen-1 (GF-1)Os satélites de Observação da Terra foram lançados na China da base de Taiyuan, província de Shanxi, no dia 31/03/2018 às 03:22 UTC (11:26 hora de Beijing). 

Veja o lançamento no vídeo abaixo

 

A TecTerra Geotecnologias é revenda autorizada da Space View operadora chinesa das imagens de satélite GaoFen-1 (GF-1). O GaoFen-1 (GF-1) tem diversas soluções geoespaciais e de fornecimento de imagens de satélites de Observação da Terra de média resolução espacial. Os setores de aplicação das informações e serviços são no planejamento territorial e ambiental, monitoramento, energia, silvicultura, agronegócio, mineração, obras de engenharia, mineração, silvicultura, etc.

A constelação GaoFen-1 (GF-1)

Após o lançamento de mais três satélites a constelação GaoFen-1 (GF-1) será composta por 4 satélites capazes de adquirir imagens de média resolução espacial. Após testes e calibrações os três satélites juntamente com o existente serão capazes de imagear a superfície terrestre em 11 dias com revisita em um mesmo local da Terra de 2 dias. isto possibilitará a aquisição de uma imagem de satélite atualizada e diversas aplicações de monitoramento de áreas.

O GaoFen-1 (GF-1) é versátil sendo capaz de obter imagens de média resolução com diferentes especificações técnicas. São elas:
  • 2 metros pancromática (tons de cinza) e 70km de faixa de imageamento
  • 8 metros multiespectral (coloridas RGB e IR) e 70km de faixa de imageamento
  • 2 metros multiespectral (coloridas RGB e IR) e fusionadas (PAN + MS) e 70km de faixa de imageamento
  • 16 metros multiespectral (coloridas RGB e IR) e e 800 km de faixa de imageamento
imagens de satélite Gaofen

Imagem de satélite GaoFen-1(GF-1) de área de agricultura na China com 2 metros de resolução espacial nas bandas RGB e IR

Veja mais detalhes e especificações técnicas sobre o GaoFen-1 (GF-1) em nosso site.

Mais um lançamento de satélites chineses

No mês de Janeiro foram lançados dois satélites da constelação SuperView-1. O SuperView-1 possui 50 centímetros de resolução espacial nas bandas RGB e IR e compreende no total de 4 satélites idênticos entre si. Até o final do ano de 2022 a constelação estará completa e terá 16 satélites ópticos capazes de adquirir imagens de alta resolução. Veja a notícia completa em nosso blog.

Os outros satélites de Observação da Terra da operadora Space View são o GaoFen-2 (GF-2)ZiYuan-3 (ZY-3), SuperView-1 e Huanjing-1A&B (HJ-1A&1B) e também comercializados pela TecTerra Geotecnologias.

Entre em contato conosco através do telefone (31) 3071-7080, do WhatsApp (31) 9 8272-8729 ou pelo email contato@tecterra.com.br para enviarmos uma amostra e verificarmos a disponibilidade de imagens de satélite da sua área de interesse.

CPRM finaliza mapeamento geológico de 20% do Estado do Ceará

CPRM finaliza mapeamento geológico de 20% do Estado do Ceará

Serviço Geológico do Brasil finaliza mapeamento geológico de 27 mil km² do território do Estado do Ceará. Empresários, comunidade técnico-científica e órgãos de governo vão ter acesso a partir do dia 14 de março a novas informações geológicas, importantes para impulsionar novos investimentos do setor mineral e promover o desenvolvimento do conhecimento geológico no Estado do Ceará. O lançamento pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) dos relatórios finais de nove projetos de cartografia geológica sistemática (escala 1:100.000) acontecerá às 14h, no Auditório do Departamento de Geografia, da Universidade Federal do Ceará (Bloco 911, campus do PICI). As folhas mapeadas, Banabuiú, Baturité, Bonhu, Crateús, Ipueiras, Itapiúna, Parambu, Quixadá e Senador Pompeu, correspondem a uma área de cerca de 27.000 km2, o que representa aproximadamente 20% de todo o território do Ceará.

Conforme o geólogo da CPRM Edney Smith de Moraes Palheta, o avanço do conhecimento geológico e de recursos minerais nestas regiões é importante, pois as atividades relacionadas ao setor mineral já representam uma alternativa viável em relação à agricultura, que sofre com extensos períodos de estiagem. “Estes trabalhos finalizados pela CPRM ampliam a área com definição de potencialidades existentes no território do Ceará, estimulando novas pesquisas e futuramente a implantação de novas minas gerando oportunidades de trabalho e riqueza”, afirmou. Atualmente, cerca de 50% do Estado já está mapeado em escala de 1:100.000.

De acordo com o diretor de Geologia e Recursos Minerais da CPRM, José Leonardo Andriottti, novos investidores no setor mineral dependem de informações sobre geologia e recursos minerais. “A pesquisa geológica básica é fundamental para o avanço das geociências e para o desenvolvimento econômico de qualquer nação. Com a divulgação destes produtos, o Serviço Geológico reforça seu papel de instituição comprometida com o setor mineral e com o desenvolvimento do conhecimento geológico do território nacional”.

A elaboração dos produtos envolveu a integração de todos os dados e informações geológicas, tectônicas, mapeamento geológico, geoquímicas, geofísicas e de recursos minerais disponíveis, disponibilizadas no banco de dados corporativo da CPRM, o GeoSBG.

Baixe os arquivos PDF das Notas Explicativas do mapeamento geológico nos links abaixo:

Nota Explicativa Banabuiú

Nota Explicativa Quixadá Itapiúna

Nota Explicativa Parambu

Nota Explicativa Senador Pompeu

Nota Explicativa Ipueiras

Nota Explicativa Baturité

Nota Explicativa Bonhu

Nota Explicativa Crateús

Fonte: CPRM

Lançado Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária

Lançado Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária

Foi lançado nesta quarta-feira (7), em Brasília, DF o Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária que consistirá em “Um sistema que será considerado, a partir de agora,  semente que ficará à disposição dos órgãos brasileiros e das entidades que representam o setor agrícola que poderão acessar e escolher qual o melhor projeto sob a ótica da carga, para o escoamento da produção”, anunciou o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi.  O sistema é aberto para qualquer cidadão que queira fazer uso de dados, como mapas, quadros evolutivos, gráficos, localização de áreas de escoamento e encontrar oportunidades ou gargalos para seu negócio ou estudo.

Navegue pelo Website e conheça a sistema.

A plataforma on-line foi desenvolvida pela Embrapa Territorial (Campinas, SP) e mostra a origem, os caminhos e o destino dos principais produtos da agricultura e da pecuária nacionais. O evento de lançamento  contou com a participação do secretário-executivo do Mapa, Eumar Novacki; do presidente da Embrapa, Maurício Lopes; do chefe-geral da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda;  de parlamentares e de outras autoridades e de diversos atores do agronegócio.

O sistema fornece dados sobre áreas de produção, identifica gargalos e oportunidades de investimentos logísticos, atuais e futuros, para ampliar a competitividade de dez cadeias agropecuárias brasileiras: soja, milho, café, laranja, cana-de-açúcar, algodão, papel e celulose, aves, suínos e bovinos. Juntas, essas dez cadeias representam mais de 90% da carga agropecuária do País.

Segundo Maggi, era necessário fazer um estudo para mostrar por onde a produção gostaria de sair, caso tivesse a possibilidade de decisão. Ele acredita que o sistema desenvolvido pela Embrapa será capaz de gerir as demandas de logística nos próximos anos.

Evaristo de Miranda, chefe-geral da Embrapa Territorial e coordenador do trabalho, explica que a plataforma pode buscar a origem da origem – verificar onde o produto é produzido por estado, microrregião e região – e o destino dos destinos – mostrar aonde vão itens desconsiderados na organização logística, como os cascos de bois produzidos durante o processo de exportação da carne bovina.

Na página da macrologística, ele ressalta, o usuário poderá encontrar 15 estudos sobre a macrologística, destes, três apontam obras viárias prioritárias para o fortalecimento do agronegócio nacional. Segundo Miranda, o único critério utilizado para identificar essas intervenções viárias foi o aumento da competitividade do agronegócio.

Veja os estudos aqui.

Maurício Lopes salientou o esforço que a Embrapa Territorial e outras unidades da Empresa têm feito para fazer a melhor ciência e ajudar o Brasil a romper desafios. “Sem ciência isso não teria acontecido. Trabalhar esse volume de dados demanda muito conhecimento e muita ciência. Acessar as geotecnologias avançadas, os conceitos que estão vindo da transformação digital, novas modelagens, inteligência artificial, Big Data. Tudo isso para mobilizar a ciência para o agro brasileiro”, destacou o presidente.

Eumar Novacki, secretário-executivo do Mapa, confirma que a plataforma responde ao desafio do ministério de planejar ações responsáveis pelo aumento produtividade do agronegócio. Com esses estudos logísticos, ele vai além, a Embrapa ajudará o governo federal a construir uma logística de transporte.

Durante o evento, o diretor-presidente da EPL, Medaglia Filho destacou o trabalho de muita relevância que vem sendo desenvolvido pela Embrapa Territorial e que converge com iniciativas que a EPL tem realizado. “Diversas áreas de governo tem atuado na mesma direção e esse sistema contempla uma base de dados também utilizada nos estudos realizados pela EPL. Esse é um trabalho para o estado brasileiro, legado importantíssimo para se ter um planejamento de ações que viabilizem o custo Brasil”, disse Medaglia.

O Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária

A plataforma disponibiliza mapas com dados dos últimos 17 anos sobre área e volume de produção, quantidades exportadas e destinos das principais cadeias produtivas em cada microrregião, estado ou região. A tecnologia cruza dados numéricos, gera tabelas, gráficos e mais de 100 mil mapas dinâmicos. Inclui dados georreferenciados dos modais logísticos utilizados (rodoviário, ferroviário, aquaviário, dutoviário e portuário) para enviar a produção e receber insumos (fertilizantes, máquinas, defensivos etc.). Também possui informações sobre milhares de estruturas de armazenagem e unidades processadoras identificadas e geocodificadas.

Com informações georreferenciadas, o Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária identificou as rotas preferenciais utilizadas e delimitou oito bacias logísticas da exportação de grãos no País.

Evaristo de Miranda destaca que o funcionamento do sistema será permanente e, com ferramentas de inteligência, gestão e monitoramento territorial, permitirá identificar a demanda por infraestrutura logística, tendo como principal critério o ganho de competitividade.

Segundo Evaristo, já foram realizados 15 estudos solicitados pelo Mapa, a partir do uso do Sistema de Inteligência Territorial, sendo um deles com o mapeamento de dez áreas de interesse prioritárias na macrologística para aumentar a competitividade da agropecuária.

Fonte: Embrapa

Free WordPress Themes, Free Android Games