Por Christian Vitorino *

Este artigo também foi publicado no portal do Instituto GeoEduc

Deparamo-nos, hoje, com uma discussão em nível mundial sobre as questões do desenvolvimento sustentável e meio ambiente na gestão municipal. Ratificamos sempre a importância do meio ambiente na qualidade de vida na Terra, enaltecendo a necessidade sempre de conservação e preservação para a perpetuação dos recursos naturais e, assim, podermos desfrutar dos mesmos no longo prazo.

Meio ambiente e gestão municipal

Quando discutimos sobre as mudanças globais e os impactos ambientais, precisamos levar em conta que o homem se relaciona diretamente com o ambiente, desde seu assentamento para atividades sociais até a exploração econômica para sua sobrevivência.

Em estudos históricos sobre a formação de grandes civilizações e sociedades antigas, fica evidenciada a organização social em torno de cursos d’água ou nascentes importantes, ou próxima às saídas para o mar. Mas podemos perceber essa grande influência do meio, mesmo em exemplos simples, de municípios pequenos a grandes.

Chapadas e pontões graníticos – presença ou não de água

Em um trabalho desenvolvido no município de Itaobim (MG), me chamou a atenção a estruturação em termos do meio ambiente geológico e geomorfológico (formas do relevo), que divide o território municipal em duas realidades distintas. O limite geográfico é o Rio Jequitinhonha. Ao norte de Itaobim, temos a sub-bacia hidrográfica do Rio São Roque e, na porção sul, a sub-bacia do Rio São João.

Falo primeiro da sub-bacia do São João. A estrutura geomorfológica é constituída por chapadões rodeados de vertentes íngremes. Esta configuração dá o caráter às chapadas de verdadeiras caixas d’água, onde a água da chuva é retida e armazenada. Essa característica é responsável pela perenização dos córregos e do próprio Rio São João. Ou seja, mesmo em épocas de secas típicas da região, temos água o ano todo.

Ocorre algo diferente no Rio São Roque, cuja sub-bacia possui córregos intermitentes, o que resulta na escassez completa de água na sub-bacia em época de seca. Este fato é explicado pela ausência das chapadas nessa porção e presença de pontões graníticos, similares ao Pão de Açúcar no Rio de Janeiro. As rochas não retêm água e, por isso, não há armazenamento para o abastecimento da sub-bacia durante todo ano.

Realidades Distintas

Ao sul, com a presença de água, se fizermos uma simples observação de uma imagem de satélite, podemos identificar um uso do solo mais “colorido”, voltado para a agricultura e mesmo indústria. A fruticultura se mostra presente, as propriedades são melhores estruturadas e organizadas e temos até pequenos alambiques e indústrias de polpa. A população presente nessa área tem melhores condições sociais e de desenvolvimento econômico.

Já ao norte, dadas as restrições de acesso aos recursos hídricos, observamos uma limitação financeira bem mais acentuada. As propriedades praticamente não possuem atividade econômica e, quando desenvolvem algo, é para simples sobrevivência. Nesse contexto, as famílias têm abandonado suas casas e suas terras e, se ficam, andam até 15 quilômetros para buscar água no Rio Jequitinhonha numa perspectiva muito mais de sobrevivência.

meio ambiente sensoriamento remoto

Fonte: Análise Ambiental Integrada Aplicada à Elaboração do Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal de Itaobim-MG, VITORINO, C.J., 2007

Dada essa estrutura geológica e geomorfológica dividida pelo Rio Jequitinhonha, podemos observar duas realidades sociais e econômicas dentro de um mesmo município, de uma mesma região. São regras ditadas pelo meio ambiente, pela geologia, geomorfologia, hidrologia, clima e outros aspectos que conduzem à ocupação humana e, assim, definem os modos de operação da dinâmica territorial, resultando nos quesitos de desenvolvimento econômico e social.

Leia também:  Sustentabilidade e Geo-Organização do espaço para a gestão territorial.

Curso on-line gratuito: Geotecnologias no Planejamento e Gestão Municipal

O Sr. Christian Vitorino elaborou o curso on-line gratuito “Geotecnologias no Planejamento e Gestão Municipal” que está disponível na plataforma do Instituto GeoEduc. O público alvo são; gestores públicos, colaboradores de administrações pública municipais, consultores de meio ambiente, geotecnologias e gestão territorial. O acesso é gratuito com 1 hora de conteúdo e pode ser realizado através do link.

* Christian Vitorino – Sócio e Diretor de Novos Negócios da TecTerra Geotecnologias. Atua no mercado de geotecnologias há mais de 10 anos desenvolvendo negócios relacionados à comercialização de imagens de satélite e soluções em sistemas de informações geográficas.

Free WordPress Themes, Free Android Games