Rio São Francisco faz ligação estratégica entre regiões e estados do Brasil

Rio São Francisco faz ligação estratégica entre regiões e estados do Brasil

O Rio São Francisco desde a nascente, no alto do Parque Nacional da Serra da Canastra, em Minas Gerais, até encontrar o Oceano Atlântico, na divisa de Alagoas com Sergipe,percorre 2.700 quilômetros levando a água que dá vida ao Semiárido. Ao longo do percurso, ele ainda atravessa os estados da Bahia, Pernambuco e Goiás, perpassando 507 municípios e fazendo a ligação estratégica entre o Sudeste e o Nordeste do país.

Das águas do rio, pescadores e barqueiros tiram o sustento há muitas gerações. Às suas margens, a agricultura e a pecuária se desenvolvem a passos largos. A vegetação e os minérios extraídos do subsolo também impulsionam a economia local. No leito do Velho Chico, estão instaladas as usinas Três Marias, Sobradinho, Paulo Afonso, Itaparica e Xingó, que geram energia elétrica para abastecer todo o Nordeste e parte de Minas Gerais.

Veja mais sobre o rio São Francisco na revista Retratos nº 13 do IBGE

Tantas possibilidades de aproveitamento dos inúmeros recursos naturais característicos da Bacia do São Francisco inegavelmente geram riqueza, mas, na mesma medida esses usos acarretam graves problemas ambientais. Desmatamento, degradação do solo, assoreamento dos leitos dos rios, poluição, escassez hídrica e prejuízos à pesca e à navegação são algumas das consequências do uso descontrolado e pouco sustentável desses recursos.

Adversidades climáticas dificultam sobrevivência do Rio São Francisco

A Bacia do São Francisco tem um dos menores níveis precipitação do país, fato que se agravou e a colocou em situação crítica nos últimos anos. Dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) revelam que a distribuição anual das chuvas na Região Nordeste apresentou forte queda entre 1990 e 2017. Com isso, desde meados dos anos 1990 o São Francisco apresenta vazões anuais abaixo da média histórica, o que dificulta a geração de energia elétrica – como em Sobradinho, responsável por 58% da energia consumida na região.

Rio São Francisco

Povoado de Saramém em Sergipe, próximo à foz do Rio São Francisco

Apesar de as barragens erguidas no São Francisco serem bases para a geração de energia limpa (sem emissão de gases poluentes), essas construções alteram o fluxo natural dos rios e a dinâmica da vida aquática. De acordo com Anivaldo Miranda, presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), além de agravar o assoreamento do leito do curso d’água, também prejudica a navegação. Em relação aos peixes, informações do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Aquática Continental (Cepta) mostram que oito espécies do rio estão ameaçadas de extinção em função do mesmo problema.

Velho Chico vira depósito de resíduos

No entorno do São Francisco, os problemas ambientais também são visíveis. A retirada das matas ciliares, localizadas nas margens do rio, e de trechos da vegetação da Caatinga, do Cerrado e de florestas é uma das ações humanas que mais prejudicam os cursos d’água. De acordo com o Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do São Francisco 2016-2025, desenvolvido pelo CBHSF, entre 2002 e 2010, cerca de 47% da área total da bacia sofreu com ações de desmatamento voltadas para a produção de carvão vegetal e a abertura de áreas para a agricultura e a pecuária.

Rio São Francisco foz

Foz do Rio São Francisco. Ao fundo é possível ver as dunas de Piabaçu, em Alagoas

Um dos impactos negativos da retirada da mata é a impermeabilização do solo que, ao ter sua capacidade de infiltração reduzida, prejudica a recarga dos aquíferos subterrâneos. Outra consequência é a ampliação do processo de erosão do solo, cujos sedimentos, muitas vezes contaminados por agrotóxicos, passam a ser conduzidos em larga escala para os rios. O lançamento de esgoto sem tratamento e o despejo de resíduos de garimpos, mineradoras e indústrias em geral (metais pesados) também são fontes de poluição que afligem o rio.

As consequências da degradação do rio são sentidas com mais intensidade no Baixo São Francisco, que fica na divisa dos estados de Sergipe e Alagoas, onde o Velho Chico encontra as águas salgadas do Oceano Atlântico. E é justamente nesse encontro que cada vez mais o São Francisco vem levando desvantagem, pois, com a diminuição da vazão, o rio não tem mais tanta força para conter a entrada da água do mar, o que acarreta mudanças no ecossistema da foz.

Fonte: IBGE

Gestão municipal, meio ambiente e a configuração social de um município

Gestão municipal, meio ambiente e a configuração social de um município

Por Christian Vitorino *

Este artigo também foi publicado no portal do Instituto GeoEduc

Deparamo-nos, hoje, com uma discussão em nível mundial sobre as questões do desenvolvimento sustentável e meio ambiente na gestão municipal. Ratificamos sempre a importância do meio ambiente na qualidade de vida na Terra, enaltecendo a necessidade sempre de conservação e preservação para a perpetuação dos recursos naturais e, assim, podermos desfrutar dos mesmos no longo prazo.

Meio ambiente e gestão municipal

Quando discutimos sobre as mudanças globais e os impactos ambientais, precisamos levar em conta que o homem se relaciona diretamente com o ambiente, desde seu assentamento para atividades sociais até a exploração econômica para sua sobrevivência.

Em estudos históricos sobre a formação de grandes civilizações e sociedades antigas, fica evidenciada a organização social em torno de cursos d’água ou nascentes importantes, ou próxima às saídas para o mar. Mas podemos perceber essa grande influência do meio, mesmo em exemplos simples, de municípios pequenos a grandes.

Chapadas e pontões graníticos – presença ou não de água

Em um trabalho desenvolvido no município de Itaobim (MG), me chamou a atenção a estruturação em termos do meio ambiente geológico e geomorfológico (formas do relevo), que divide o território municipal em duas realidades distintas. O limite geográfico é o Rio Jequitinhonha. Ao norte de Itaobim, temos a sub-bacia hidrográfica do Rio São Roque e, na porção sul, a sub-bacia do Rio São João.

Falo primeiro da sub-bacia do São João. A estrutura geomorfológica é constituída por chapadões rodeados de vertentes íngremes. Esta configuração dá o caráter às chapadas de verdadeiras caixas d’água, onde a água da chuva é retida e armazenada. Essa característica é responsável pela perenização dos córregos e do próprio Rio São João. Ou seja, mesmo em épocas de secas típicas da região, temos água o ano todo.

Ocorre algo diferente no Rio São Roque, cuja sub-bacia possui córregos intermitentes, o que resulta na escassez completa de água na sub-bacia em época de seca. Este fato é explicado pela ausência das chapadas nessa porção e presença de pontões graníticos, similares ao Pão de Açúcar no Rio de Janeiro. As rochas não retêm água e, por isso, não há armazenamento para o abastecimento da sub-bacia durante todo ano.

Realidades Distintas

Ao sul, com a presença de água, se fizermos uma simples observação de uma imagem de satélite, podemos identificar um uso do solo mais “colorido”, voltado para a agricultura e mesmo indústria. A fruticultura se mostra presente, as propriedades são melhores estruturadas e organizadas e temos até pequenos alambiques e indústrias de polpa. A população presente nessa área tem melhores condições sociais e de desenvolvimento econômico.

Já ao norte, dadas as restrições de acesso aos recursos hídricos, observamos uma limitação financeira bem mais acentuada. As propriedades praticamente não possuem atividade econômica e, quando desenvolvem algo, é para simples sobrevivência. Nesse contexto, as famílias têm abandonado suas casas e suas terras e, se ficam, andam até 15 quilômetros para buscar água no Rio Jequitinhonha numa perspectiva muito mais de sobrevivência.

meio ambiente sensoriamento remoto

Fonte: Análise Ambiental Integrada Aplicada à Elaboração do Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal de Itaobim-MG, VITORINO, C.J., 2007

Dada essa estrutura geológica e geomorfológica dividida pelo Rio Jequitinhonha, podemos observar duas realidades sociais e econômicas dentro de um mesmo município, de uma mesma região. São regras ditadas pelo meio ambiente, pela geologia, geomorfologia, hidrologia, clima e outros aspectos que conduzem à ocupação humana e, assim, definem os modos de operação da dinâmica territorial, resultando nos quesitos de desenvolvimento econômico e social.

Leia também:  Sustentabilidade e Geo-Organização do espaço para a gestão territorial.

Curso on-line gratuito: Geotecnologias no Planejamento e Gestão Municipal

O Sr. Christian Vitorino elaborou o curso on-line gratuito “Geotecnologias no Planejamento e Gestão Municipal” que está disponível na plataforma do Instituto GeoEduc. O público alvo são; gestores públicos, colaboradores de administrações pública municipais, consultores de meio ambiente, geotecnologias e gestão territorial. O acesso é gratuito com 1 hora de conteúdo e pode ser realizado através do link.

* Christian Vitorino – Sócio e Diretor de Novos Negócios da TecTerra Geotecnologias. Atua no mercado de geotecnologias há mais de 10 anos desenvolvendo negócios relacionados à comercialização de imagens de satélite e soluções em sistemas de informações geográficas.

Como a diversidade de imagens de satélite pode ajudar na gestão territorial

Como a diversidade de imagens de satélite pode ajudar na gestão territorial

Por Christian Vitorino *

Este texto também foi publicado no portal do Instituto GeoEduc

Por dentro do Sensoriamento Remoto

O sensoriamento remoto é um conjunto de técnicas destinadas à aquisição de informações visuais (imagens) sobre objetos na superfície terrestre, sobre os sistemas ambientais e urbanos, sem que haja contato com eles.

As imagens de satélite, produtos do sensoriamento remoto, são extremamente úteis quando da espacialização dos diversos usos do solo e sua relação com os atributos dos meios físicos e bióticos.

Com a popularização de ferramentas de geovisualização, tal como o Google Earth, as imagens de satélite se tornaram referência quando o usuário busca, desde uma simples visualização de uma determinada área ou região, até mesmo análises mais complexas do território.

É importante salientar que as imagens oriundas de satélites em órbitas necessitam de manipulação para se obter uma melhor visualização e, assim, extrair as informações necessárias para os estudos territoriais. Essas manipulações são realizadas em softwares específicos de Processamento Digital de Imagens (PDI).

Em uma análise das condições de um determinado território, esses sistemas de observação da terra expressam fielmente as características temporais e espaciais das dinâmicas de ocupação do território, resultantes do assentamento do homem.

Aplicações na gestão e planejamento

Para aplicações em processos de gestão e planejamento municipal por exemplo, as imagens de satélite podem ser utilizadas para o diagnóstico do território, evidenciando suas principais características, seus pontos fortes e seus desequilíbrios e, desta forma, conhecer o seu potencial paisagístico e compreender seu funcionamento e evolução de uso do solo.

Uma análise temporal da dinâmica territorial de uma cidade com uso de imagens de satélite e técnicas de processamento digital, seja nos aspectos urbanos, seja nas áreas rurais, dará aos analistas a real dimensão desse funcionamento, auxiliando os planejadores na construção de cenários de impactos sócio ambientais dentro dos processos de gestão municipal.

De onde vem estas imagens?

Há hoje no mercado dezenas de opções de satélite de observação da terra que possam contribuir efetivamente para os processos de planejamento e gestão territorial. Satélites que fornecem imagens desde 30 metros até 30 centímetros de resolução espacial permitem análises em diversas escalas para variadas aplicações.

Há opções gratuitas, tais como a série Landsat, o Sentinel-2, a constelação do CBERS (brasileiro em parceria com a China), o Aster dentre outros que podem ser trabalhados em análises de territórios mais extensos e escalas menores. Nas opções de melhores resoluções, temos os satélites comerciais ativos desde 1999, como o Ikonos – com 1 metro de resolução espacial.

Após este período, dezenas de outros satélites de diversas operadoras mundiais surgiram para “povoar” a órbita terrestre e dar mais possibilidades de aplicações para os gestores públicos e o público em geral. Países como Japão, China, Tailândia, Israel, Cazaquistão, França, Estados Unidos, Peru, Espanha, Coreia do Sul, dentre diversos outros outros, lançaram constelações no decorrer dos últimos 15 anos.

Destacam-se satélites como QuickBird, série Kompsat, Pleiades, SPOT, série WorldView, TripleSat, RapidEye e os chineses GaoFen e SuperView-1 (com lançamentos mais recentes), que compõe a gama de mais de 50 opções de sensores e resoluções no mercado de imagens de satélite. Assim, tem-se toda superfície terrestre imageada diversas vezes, permitindo avaliações históricas e recentes.

Como esta diversidade ajuda na gestão territorial?

Essa diversidade, portanto, possibilita a captação de imagens em diferentes resoluções e em diferentes bandas espectrais e em diversas épocas. Isto permite que, tanto as instituições de pesquisa, quanto os setores privados e governamentais tenham uma maior capacidade de realizar análises e gestão territorial em diversas escalas para diversas aplicações no decorrer do tempo.

Há que se fazer menção, também, em questões relacionadas a custos, uma vez que as regras de mercado, como a concorrência de diversas operadoras de satélite e mesmo a disponibilização gratuita de imagens permitem uma maior facilidade de acesso aos produtos de sensoriamento remoto.

Este fato resulta hoje em milhares de estudos e pesquisas ambientais contribuindo efetivamente para o desenvolvimento de políticas públicas direcionadas ao conhecimento maior da superfície terrestre.

Geotecnologias no Planejamento e Gestão Municipal

O Sr. Christian Vitorino elaborou o curso on-line gratuito “Geotecnologias no Planejamento e Gestão Municipal” que está disponível na plataforma do Instituto GeoEduc. O público alvo são; gestores públicos, colaboradores de administrações pública municipais, consultores de meio ambiente, geotecnologias e gestão territorial. O acesso é gratuito com 1 hora de conteúdo e pode ser realizado através do link.

* Christian Vitorino – Sócio e Diretor de Novos Negócios da TecTerra Geotecnologias. Atua no mercado de geotecnologias há mais de 10 anos desenvolvendo negócios relacionados à comercialização de imagens de satélite e soluções em sistemas de informações geográficas.

 

Sustentabilidade e Geo-Organização do espaço para a gestão territorial

Sustentabilidade e Geo-Organização do espaço para a gestão territorial

Por Christian Vitorino *

Este texto também foi publicado no portal do Instituto GeoEduc.

Deparamo-nos, hoje, com uma discussão em nível mundial sobre a sustentabilidade. Ratificamos a importância do ambiente na qualidade de vida na Terra, enaltecendo a necessidade constante de conservação e preservação para a perpetuação dos recursos naturais. Falta-nos, contudo, cuidar melhor da organização do espaço.

Ao refletirmos sobre as mudanças globais e os impactos ambientais, é importante perceber a relação direta do homem com o ambiente, desde seu assentamento para atividades sociais, até a exploração econômica para sua sobrevivência. Por meio dessa relação direta, passamos a ocupar o espaço, a nos organizar como sociedade e a ter uma participação ativa em toda a cadeia política e social de nossa cidade, estado e país.

Se pensarmos nos processos de urbanização, de expansão agrícola, dentre outras atividades econômicas, que interferem diretamente no ambiente, podemos começar a entender melhor os impactos de 7 bilhões de pessoas se assentando sobre a superfície terrestre sem que haja o mínimo de critério e respeito às particularidades do meio. Infelizmente, é o que presenciamos (e – não se iluda – somos parte da causa).

Nesse contexto, tudo isso se deve, em grande parte, ao comportamento do homem frente às necessidades de exploração dos recursos naturais para sua própria sobrevivência (ou, por vezes, conveniência), desconsiderando os princípios da sustentabilidade.

Ocupamos nosso lugar no espaço, modificando-o em função de nossas atividades econômicas e necessidades. A ausência de organização espacial e funcional gera riscos e impactos ambientais com resultado direto na qualidade de vida da população (mesmo que, às vezes, percebidos apenas no longo prazo).

Sustentabilidade e gestão

Planejar a ocupação do território requer uma ampla discussão no nível social, além da realização de estudos temáticos dentro da esfera ambiental. É fundamental conhecer as potencialidades e limitações que o ambiente impõe sobre a exploração dos recursos naturais e entender a relação do comportamento do homem perante este ambiente.

Técnicas de geoprocessamento, uso de imagens de satélite e subprodutos de sensoriamento remoto, sistemas de informações geográficas, dentre outras geotecnologias, têm auxiliado os gestores públicos nos processos de planejamento e gestão das cidades. Tais tecnologias servem tanto para diagnóstico quanto para a definição de diretrizes de gestão territorial.

O funcionamento das instituições políticas responsáveis pela gestão da sociedade e do espaço deve ser considerado, portanto, como fator indispensável para a implantação e gestão de um efetivo processo de planejamento e ordenamento territorial.

Em um contexto de planejamento e gestão territorial, cabe aos gestores públicos, juntamente com a população, a definição das funções que o território deverá exercer enquanto base de manutenção da economia local, regional e global e a organização, espacialmente e funcionalmente, em prol do desenvolvimento com sustentabilidade.

* Christian Vitorino – Sócio e Diretor de Novos Negócios da TecTerra Geotecnologias. Atua no mercado de geotecnologias há mais de 10 anos desenvolvendo negócios relacionados à comercialização de imagens de satélite e soluções em sistemas de informações geográficas.

Está sendo elaborado pelo Sr. Christian Vitorino um curso na temática de geotecnologias para a gestão municipal que estará disponível na plataforma do Instituto GeoEduc. O público alvo são; gestores públicos, colaboradores de administrações pública municipais, consultores de meio ambiente, geotecnologias e gestão territorial. Quando tivermos maiores informações divulgaremos em nosso blog e redes sociais.

Free WordPress Themes, Free Android Games