É notável a movimentação causada pela introdução das tecnologias de aerolevantamento não tripuladas (UAV), como drones e vants no mercado de topografia e geotecnologias. Com um leque maior de metodologias surgem novas expectativas e incertezas sobre como utilizar as tecnologias de observação da terra nos serviços de mapeamento.

Todas as metodologias têm vantagens e desvantagens, adequações e inadequações, possibilidades e impossibilidades, ameaças e oportunidades. Os trabalhos com drones e vants, assim como as imagens de satélite e aerolevantamento tripulado são alternativas que devem ser consideradas. Nesse cenário é importante entender como utilizar cada tecnologia de forma adequada e as metodologias podem ser aplicadas conforme demanda de forma exclusiva ou complementar. A metodologia a ser aplicada deve considerar variáveis técnicas, comerciais, financeiras e econômicas de cada projeto. Uma das variáveis para definir a metodologia a ser aplicada é o tamanho, nível de detalhas e a feição da área a ser trabalhada.

topografia

Alturas das tecnologias de aquisição de dados de sensoriamento remoto. Fonte: MapScaping @byMapScaping

Levantamentos planialtimétricos

Para o levantamento planimétricos apenas, em projetos pontuais ou com áreas de até 1.000 Ha, drone pode ser tecnologia mais eficiente. Para projetos zonais em áreas maiores, em resolução (GSD) de até 30 cm, os produtos de imagens de satélite ganham em produtividade e custo/benefício. Já para projetos lineares ou em áreas maiores em escala maior que que 1:1.000, o aerolevantamento tripulado é a tecnologia adequada.

Para levantamentos altimétricos, ao considerar a geração Modelos Digitais de Superfície (MDS) e Modelos Digitais de Terreno (MDT), podem ser gerados com maior nível de precisão com aerolevantamento tripulado ou não tripulado (UAV), no último caso desde que equipado com laser, como por exemplo, o LiDAR. Com a aplicação de filtros as imagens de satélite têm produtos que geram MDT a partir de multivisão ou estereoscopia com excelente custo/benefício para grandes áreas e para aplicações que não demandam o nível de detalhamento alcançado pelo laser.

A estereoscopia gerada a partir de drones óticos é recomendada para projetos de alta periodicidade de mapeamento, pontuais e em locais sem obstáculos ou coberturas no terreno como vegetação e edificações. Existem aplicações em que a estereoscopia por drone ótico é a melhor alternativa como, por exemplo, monitoramento de cava de mina, em que a informação altimétrica é dinâmica e que o MDT coincide com MDS, ou também obras em que existe a necessidade de mapear as benfeitorias.

Porém é preciso eliminar a ideia de que é possível fazer qualquer mapeamento por drone. Tecnologias de estereoscopia por drone, são inadequadas para obtenção de Modelo Digital de Terreno e em áreas em que há cobertura no solo como benfeitorias e vegetação, já que geram apenas Modelos Digitais de Superfície. Em alguns projetos se comete o erro metodológico de se utilizar no processamento, técnica que consiste na generalização da informação no objetivo de se atingir o nível do terreno. Na prática é um falseamento da informação na tentativa gerar Modelo Digital de Terreno, o que é inadequado para qualquer aplicação técnica e que tem valor apenas ilustrativo.

Existem diversas opções de topografia por sensoriamento remoto no mercado com distintas variáveis metodológicas que se adequam as necessidades do cliente, orçamento e nível de detalhes das informações que se deseja obter. Assim com orientações técnicas e comerciais adequadas os usuários e clientes podem obter produtos cartográficos de topografia com boa qualidade e adaptados a cada projeto.

Para saber mais sobre aplicações de topografia entre em contato com a nossa equipe comercial pelo telefone (31) 3071-7080, WhatsApp (31) 9 8272-8729 ou pelo e-mail contato@tecterra.com.br.

Texto de: Lucas Campos – Diretor Comercial da TecTerra Geotecnologias – lucas.campos@tecterra.com.br

Free WordPress Themes, Free Android Games