Topografia com drones e vants: Como esses levantamentos podem ser corretos metodologicamente?

Topografia com drones e vants: Como esses levantamentos podem ser corretos metodologicamente?

É notável a movimentação causada pela introdução das tecnologias de aerolevantamento não tripuladas (UAV), como drones e vants no mercado de topografia e geotecnologias. Com um leque maior de metodologias surgem novas expectativas e incertezas sobre como utilizar as tecnologias de observação da terra nos serviços de mapeamento.

Todas as metodologias têm vantagens e desvantagens, adequações e inadequações, possibilidades e impossibilidades, ameaças e oportunidades. Os trabalhos com drones e vants, assim como as imagens de satélite e aerolevantamento tripulado são alternativas que devem ser consideradas. Nesse cenário é importante entender como utilizar cada tecnologia de forma adequada e as metodologias podem ser aplicadas conforme demanda de forma exclusiva ou complementar. A metodologia a ser aplicada deve considerar variáveis técnicas, comerciais, financeiras e econômicas de cada projeto. Uma das variáveis para definir a metodologia a ser aplicada é o tamanho, nível de detalhas e a feição da área a ser trabalhada.

topografia

Alturas das tecnologias de aquisição de dados de sensoriamento remoto. Fonte: MapScaping @byMapScaping

Levantamentos planialtimétricos

Para o levantamento planimétricos apenas, em projetos pontuais ou com áreas de até 1.000 Ha, drone pode ser tecnologia mais eficiente. Para projetos zonais em áreas maiores, em resolução (GSD) de até 30 cm, os produtos de imagens de satélite ganham em produtividade e custo/benefício. Já para projetos lineares ou em áreas maiores em escala maior que que 1:1.000, o aerolevantamento tripulado é a tecnologia adequada.

Para levantamentos altimétricos, ao considerar a geração Modelos Digitais de Superfície (MDS) e Modelos Digitais de Terreno (MDT), podem ser gerados com maior nível de precisão com aerolevantamento tripulado ou não tripulado (UAV), no último caso desde que equipado com laser, como por exemplo, o LiDAR. Com a aplicação de filtros as imagens de satélite têm produtos que geram MDT a partir de multivisão ou estereoscopia com excelente custo/benefício para grandes áreas e para aplicações que não demandam o nível de detalhamento alcançado pelo laser.

A estereoscopia gerada a partir de drones óticos é recomendada para projetos de alta periodicidade de mapeamento, pontuais e em locais sem obstáculos ou coberturas no terreno como vegetação e edificações. Existem aplicações em que a estereoscopia por drone ótico é a melhor alternativa como, por exemplo, monitoramento de cava de mina, em que a informação altimétrica é dinâmica e que o MDT coincide com MDS, ou também obras em que existe a necessidade de mapear as benfeitorias.

Porém é preciso eliminar a ideia de que é possível fazer qualquer mapeamento por drone. Tecnologias de estereoscopia por drone, são inadequadas para obtenção de Modelo Digital de Terreno e em áreas em que há cobertura no solo como benfeitorias e vegetação, já que geram apenas Modelos Digitais de Superfície. Em alguns projetos se comete o erro metodológico de se utilizar no processamento, técnica que consiste na generalização da informação no objetivo de se atingir o nível do terreno. Na prática é um falseamento da informação na tentativa gerar Modelo Digital de Terreno, o que é inadequado para qualquer aplicação técnica e que tem valor apenas ilustrativo.

Existem diversas opções de topografia por sensoriamento remoto no mercado com distintas variáveis metodológicas que se adequam as necessidades do cliente, orçamento e nível de detalhes das informações que se deseja obter. Assim com orientações técnicas e comerciais adequadas os usuários e clientes podem obter produtos cartográficos de topografia com boa qualidade e adaptados a cada projeto.

Para saber mais sobre aplicações de topografia entre em contato com a nossa equipe comercial pelo telefone (31) 3071-7080, WhatsApp (31) 9 8272-8729 ou pelo e-mail contato@tecterra.com.br.

Texto de: Lucas Campos – Diretor Comercial da TecTerra Geotecnologias – lucas.campos@tecterra.com.br

Lançado o satélite de Observação da Terra GaoFen-11 (GF-11)

Lançado o satélite de Observação da Terra GaoFen-11 (GF-11)

Foi lançado com sucesso o GaoFen-11 (GF-11) mais um satélite de Observação da Terra chinês. Ele foi lançado na China da base de Taiyuan, província de Shanxi, no dia 31/07/2018 às 03:00 UTC (11:00 hora de Beijing) por meio do veículo lançador de satélites Long March-4B.

Veja o lançamento do GaoFen-11 no vídeo abaixo

 

O GaoFen-11 (GF-11) terá aplicações no planejamento urbano, topografia, auxílio em projetos infraestrutura, obras de engenharia, monitoramento de modificações ocorridas na paisagem dentre outras. Seus dados e informações serão utilizados para auxiliar o Belt and Road Initiative (BRI) um projeto governamental chinês que objetiva conectar a China com a o restante dos continentes da Ásia, África e Europa. Isto abrangerá aproximadamente 4,8 bilhões de pessoas residentes em 70 países por meio de uma extensa rede de vias marítimas e ligações terrestres.

Mais detalhes e especificações técnicas do GaoFen-11 (GF-11) serão divulgadas em breve.

Mais um lançamento de satélites de Observação da Terra chineses em 2018

No mês de Janeiro foram lançados dois satélites da constelação SuperView-1. O SuperView-1 possui 50 centímetros de resolução espacial nas bandas RGB e IR e compreende no total de 4 satélites idênticos entre si. Até o final do ano de 2022 a constelação estará completa e terá 16 satélites capazes de adquirir imagens de alta resolução espacial.

Em março de 2018 foram lançados três satélites da constelação GaoFen-1 (GF-1). Assim a constelação compreenderá quatro satélites capazes de obter imagens de média resolução espacial com diferentes especificações técnicas.

No mês de Maio foi lançado o GaoFen-5 (GF-5) que possui sensores hiperespectrais voltados para aplicações de uso e ocupação do solo, poluição do ar e estudos ambientais.

Em Junho foi lançado o GaoFen-6 (GF-6) que possui as especificações técnicas são similares ao GaoFen-1 (GF-1). O que o diferencia são os novos sensores tecnologicamente mais avançados com área de imageamento maior (swath). Neste mesmo lançamento também foi lançado o satélite experimental Luojia-1 que consiste em um CubeSat.

Os outros satélites de Observação da Terra da operadora Space View são o SuperView-1GaoFen-1 (GF-1)GaoFen-2 (GF-2)ZiYuan-3 (ZY-3), Huanjing-1A&B (HJ-1A&1B) e também comercializados pela TecTerra Geotecnologias.

Entre em contato com a equiper comercial da TecTerra através do telefone (31) 3071-7080, do WhatsApp (31) 9 8272-8729 ou pelo email contato@tecterra.com.br para enviarmos uma amostra e verificarmos a disponibilidade de imagens de satélites da operadora Space View e de outras que trabalhamos.

Japão cria GPS com margem de erro reduzida a centímetros

Japão cria GPS com margem de erro reduzida a centímetros

Os japoneses vão inaugurar, em 2018, um sistema de localização por GPS muito mais preciso, com uma margem de erro reduzida a centímetros.  A Inauguração do novo sistema de localização será em 2018 com uma margem de erro praticamente zerada possibilita novas aplicações

O foguete que levou o novo satélite foi lançado da base de Tanegashima, no Sul do Japão. Quem diria que algo que vai tão alto, fica orbitando no espaço, ajuda tanto a nossa vida aqui embaixo.

O sistema de GPS, que já existe há mais de 30 anos, é fundamental em várias áreas: nos orienta no trânsito, ajuda na navegação marítima, no transporte aéreo, na segurança de cargas nas estradas. Ninguém se perde com os satélites enviando informações de posicionamento.

O GPS que a gente conhece funciona bem, mas os japoneses acreditam que podem desenvolver um sistema melhor. O que existe hoje tem uma margem de erro de dez metros, ou seja, os satélites não fazem distinção se dobra uma esquina ou se está em outro ponto. O que os japoneses estão fazendo é reduzir essa margem de erro de dez metros para dez centímetros.

O GPS e GNSS hoje é possível com informações enviadas por satélites geoestacionários, que ficam parados orbitando sobre pontos fixos na Terra. O sistema japonês será diferente: serão quatro satélites ao todo, três sempre em movimento, fazendo um traçado em forma de oito.

Um ficará parado sobre Tóquio. Assim, mudando de posição, os especialistas garantem que não haverá área de sombra, sem sinal, por exemplo, em locais cercados por prédios muito altos.

Com a margem de erro praticamente zerada, também vai ser mais fácil desenvolver outras aplicações: os carros que rodam sozinhos, sem motorista, terão mais precisão; ficará mais segura a entrega de mercadorias por drones; e até encontrar pessoas desaparecidas, como idosos, problema grave num país com uma população que envelhece rápido.

Por enquanto, dois satélites foram lançados, mas a promessa é que em 2018 o japonês já terá um GPS para chamar de seu.

Fonte: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2017/06/japao-cria-gps-com-margem-de-erro-reduzida-centimetros.html

“GPS europeu”, sistema Galileo começa a funcionar

“GPS europeu”, sistema Galileo começa a funcionar

O sistema Galileo, que será o concorrente do norte-americano GPS, começou a colocar algumas de suas funções em operação a partir desta quinta-feira (15). Os serviços que já estão disponíveis são aqueles ligados à operações de salvamento, com uma geolocalização efetuada – no máximo – em 10 minutos, à navegação com automóvel e uma melhor sincronização de projetos de infraestrutura fundamental como no campo da energia e de transações financeiras. Por enquanto, o Galileo tem apenas 18 dos 30 satélites previstos para atuar no sistema, que promete ser muito mais preciso que seus concorrentes – o GPS (EUA), o Glonass (Rússia) e o Beidou (China). A plena operação do sistema deverá ocorrer até 2020 e, até lá, a disponibilização do programa para os equipamentos eletrônicos será feita de maneira gradual. A partir de ontem, os celulares da marca espanhola BQ e diversos equipamentos para veículos já estão com o Galileo disponível.

Participação italiana

A sociedade Spaceopal, guiada pela italiana Leonardo-Finmeccanica e controlada pela Telespazio, ao lado da alemã DLR GfR assinaram um acordo em Bruxelas no valor de 1,5 bilhão de euros para a gestão dos próximos 10 anos do programa de navegação e localização por satélite. O contrato, nascido de uma disputa europeia, soma-se aos serviços da Hosting, já contratados pela Comissão Europeia com os dois Centros de Controle de Fucino, na Itália, e Oberpfaffenhofen, próximo a Munique, na Alemanha.”Estamos orgulhosos de poder contribuir, com as nossas tecnologias e competências, com o sistema de satélite Galileo, que oferecerá serviços de qualidade aos cidadãos de todo o mundo e poderá representar um voo para o crescimento econômico e para a competitividade”, afirmou Mauro Moretti, CEO e diretor-geral da Leonardo-Finmeccanica. Segundo o CEO da Telespazio e chefe do setor espacial da Leonardo-Finmeccanica, Luigi Pasquali, esse é um contrato “importantíssimo para a Itália” porque ele constitui “uma realidade importante em termos econômicos”, visto que “vale mais de 1 bilhão de euros” e “que nos fará trabalhar pelos próximos 10 anos” com importantes reflexos no sistema de produção na planta de Fucino.

O projeto

O projeto europeu de localização por satélite é realizado em uma parceria da Agência Espacial Europeia (ESA) com a Comissão Europeia e conta com a participação de diversas empresas e entidades do bloco econômico. Da Itália, por exemplo, participa o grupo Finmeccanica-Leonardo, com as empresas Telespazio e Thales Alenia Space. Com cunho estritamente civil, o sistema será tutelado pela Agência Europeia do Sistema de Navegação Global por Satélite (GSA, na sigla em inglês), e conta com o apoio dos centros de comando em Munique, na Alemanha, e em Redu, na Bélgica. (ANSA)

Fonte:  http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/ansa/2016/12/16/gps-europeu-sistema-galileo-comeca-a-funcionar.htm

Sistema Geodésico Brasileiro (SGB) ganha mais um Vértice em Criciúma (SC)

Sistema Geodésico Brasileiro (SGB) ganha mais um Vértice em Criciúma (SC)

Foi implantado nas dependências do parque científico e tecnológico da Universidade do Extremo Sul Catarinense – Unesc (Iparque), em Criciúma (SC), e homologado pelo IBGE, o mais recente vértice integrante do Sistema Geodésico Brasileiro – SGB, o SAT99641. A implantação e homologação do marco geodésico faz parte do trabalho de conclusão de curso do acadêmico de engenharia de agrimensura Diones Delfino Selau, sob a orientação do professor Leonard Niero da Silveira e coorientação do professor João Paulo Casagrande da Rosa.

O relatório do SAT99641 está disponível no site: http://www.bdg.ibge.gov.br/bdg/pdf/relatorio.asp?L1=99641

O trabalho também contou com o apoio do Centro de Engenharia e Geoprocessamento – CEGEO e Instituto de Engenharia e Tecnologia – IDT do Iparque/Unesc e colaboração do engenheiro agrimensor Gean Pavei, da Pegesul Geo-tecnologias. De acordo com os professores, a materialização de mais um vértice de referência é de suma importância para o adensamento da rede de marcos passivos do SGB, tendo desta forma, a disponibilização de mais opções para apoio aos levantamentos topográficos e investigação científica por parte de pesquisadores e engenheiros.

Fonte: http://www.amiranet.com.br/noticia/sistema-geodesico-brasileiro-ganha-mais-um-vertice-em-criciuma-255

Conheça as soluções da TecTerra Geotecnologias nas áreas de topografia e geodésia: https://tecterra.com.br/solucoes/topografia-e-geodesia/

Amapá e IBGE concluem revitalização da rede geodésica do estado

Amapá e IBGE concluem revitalização da rede geodésica do estado

O Amapá concluiu as atividades de campo para a construção da Rede Geodésica do Estado, ferramenta tecnológica de mapeamento do território através de coordenadas geográficas de alta precisão. Através do mecanismo, o Estado poderá fazer mapeamentos e estudos científicos que ajudam, por exemplo, no monitoramento das mudanças climáticas. Os dados são preciosos para a regularização fundiária bem como para basear obras de infraestrutura.

A Rede Geodésica do Amapá é executada por meio de um convênio entre as Secretarias de Estado do Planejamento (Seplan) e Meio Ambiente (Sema) com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – equipe do Estado do Rio de Janeiro.

Os resultados sobre as atividades de campo foram apresentados recentemente em reunião na Seplan. Durante o encontro, também foram acertados os detalhes operacionais de ações pós-convênio para preservar os investimentos – que até aqui foram de 2,1 milhões, recursos da operação de crédito junto ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

De acordo com o gerente das redes geodésicas do IBGE, Roberto Luz, o mecanismo já está revitalizado no Amapá, com medições coordenadas, gravidade e GPS. Foram instaladas mais de 500 novas estações – marcos em formato de pirâmide que guardam informações geográficas. A nova rede, que agora possui mais de 1 mil marcos, alcança todos os pontos extremos do Estado, do sul ao norte.

Agora virá a etapa de cálculo, processamento e análise dos dados para que, em breve, sejam divulgados os novos valores de coordenadas geodésicas. As informações, segundo Luz, serão a base para projetos do poder público em âmbito estadual e municipal.

Um dos objetivos da rede geodésica é permitir que sejam feitos mapas precisos do território. Além do mapeamento em alta escala, de vias de municípios, as estações geodésicas permitem o estabelecimento de obras de infraestrutura, barragens, canais de irrigação, usinas hidrelétricas, rodovias, entre outras.

Informações da rede geodésica podem ser usadas, por exemplo, para definir traçados e inclinações de estradas, para que o tráfego nela ocorra com segurança. As construtoras se baseiam nos dados dos marcos geodésicos para fazer os projetos básico e executivo de obras e o controle de andamento dessas obras. “Esses parâmetros guardados nas estações geodésicas, principalmente sobre altitude, auxiliam na construção dessas rodovias para que o traçado seja executado com rigor e precisão”, explicou Roberto Luz.

Segundo ele, existem três tipos de redes geodésicas: as planimétricas tridimensionais, que possuem coordenadas horizontais de latitude, longitude e altitude com GPS geodésico (precisão menor que 1 cm); as redes de nivelamento, que usam dados para basear obras como barragens, rodovias; e as estações gravimétricas, que contém dados que permitem estudos do campo gravitacional terrestre.

Preservação

O secretário adjunto de Planejamento, Otávio Fonseca, disse que o Estado prepara uma campanha para preservar as estações geodésicas da rede amapaense. Ele lembrou que na década de 1980, o IBGE estabeleceu a rede altimétrica do Amapá com 500 marcos, que abrangiam Mazagão, Santana, Macapá, Serra do Navio e Calçoene. Essas estações, explicou o secretário adjunto, possuem dados precisos de altitude em relação ao nível do mar. Mas, a maioria delas foi colocada próxima a estradas, posição desfavorável para conservação. “Sempre que existe uma estação na beira da estrada, pode ocorrer destruição deste marco por conta do vandalismo e outros motivos. Se a estação for tirada do lugar, por exemplo, ela perde os dados, ou seja, não serve mais”, citou Otávio Fonseca.

Apesar de serem protegidas por lei, por vários motivos, essas estações acabam sendo destruídas ou perdendo os dados. “A responsabilidade de zelar pelas estações geodésicas é de toda sociedade, porque esse marcos beneficiam toda sociedade, pois eles guardam informações para obras de infraestrutura”, alertou o secretário.

Fonte: http://www.ap.gov.br/noticia/2410/estado-e-ibge-concluem-revitalizacao-da-rede-de-mapeamento-do-territorio

Free WordPress Themes, Free Android Games